Amazônia – Mais seca do que nunca

Pesquisa mostra que, em 2010, a Amazônia viveu a maior estiagem do século.  A falta d’água e a morte de árvores fez com que a floresta deixasse de ser uma importante capturadora de carbono para se tornar uma grande emissora.

A seca de 2010 atingiu 57% da floresta amazônica, totalizando 3 milhões de quilômetros quadrados, o equivalente a mais de 740 milhões de campos de futebol. Milhares de árvores foram mortas. (foto: Cristian Mahashiah – CC BY NC SA 2.0)

Em 2005, a Amazônia viveu uma de suas piores secas. No entanto, um estudo de pesquisadores do Reino Unido, Brasil e Estados Unidos revela que, em 2010, a floresta sofreu ainda mais com a falta de chuvas. Devido à morte das árvores, a região passou a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver, o que pode contribuir para acelerar as mudanças climáticas.

“Secas como essas têm um grande impacto negativo no ciclo de carbono e no clima do planeta”, afirma um dos autores do estudo, o engenheiro florestal Paulo Brando, do Instituto de Pesquisas da Amazônia (Ipam). Em condições normais, a floresta amazônica atua como uma grande esponja que absorve anualmente cerca de 0,4 bilhão de toneladas de carbono da atmosfera.

Segundo a pesquisa, publicada na Science desta semana, o carbono que deixou de ser capturado durante a seca do ano passado somado ao carbono que passou a ser emitido pela decomposição das árvores mortas chega a 2,2 bilhões de toneladas. Para se ter uma ideia, em 2009, as emissões globais foram de 9 bilhões.

Já a seca de 2005, até então considerada a maior do século, foi responsável pelo acúmulo de 1,6 bilhão de toneladas de carbono na atmosfera.

Dados de satélite das duas secas mostraram aos pesquisadores que a do ano passado atingiu uma área bem mais extensa que a de seis anos atrás. Enquanto a seca de 2005 afetou 1,9 milhão de quilômetros quadrados, o que equivale a 37% da Amazônia, a de 2010 abrangeu uma área de 3 milhões de quilômetros quadrados, o correspondente a 57% da floresta.

Além disso, a seca do ano passado teve dois epicentros a mais (Mato Grosso e o centro-norte da Bolívia) do que a de 2005, que ficou restrita ao sudoeste da Amazônia.

Uma possível explicação para a extrema falta de chuva de 2010 é a conjunção do fenômeno climático El Niño com o aquecimento da superfície do Atlântico Norte. O aumento da temperatura do oceano deslocou para o noroeste a zona de convergência intertropical, região de encontro dos ventos vindos dos hemisférios norte e sul que é responsável por grande parte das chuvas na Amazônia.

Medição de chuvas e emissões

Para dimensionar a seca de 2010, os pesquisadores utilizaram dados de pesquisas meteorológicas anteriores referentes à última década. A partir daí, foi possível obter a média de chuvas durante o período normal de seca, que vai de julho a setembro.

Essa média foi comparada com os índices de precipitação de 2005 e 2010 e verificou-se que realmente choveu abaixo da média nesses anos. A intensidade da seca – avaliada a partir dos índices de chuva – combinada com medições de biomassa feitas em campo permitiu aos pesquisadores chegar aos valores totais de carbono emitido.

Os mapas A e B mostram as diferenças entre os índices de chuvas na Amazônia em 2005 e 2010 e a média da década. Em C e D, aparece a intensidade da seca que atingiu a floresta em 2005 e 2010, medida pelo déficit hídrico climatológico (MCWD). (fonte: Science)

Brando explica que o impacto dessas emissões no ciclo de carbono não vai ser sentido de imediato, e sim ao longo dos próximos anos, pois o gás proveniente da decomposição da biomassa não é liberado na atmosfera de uma só vez.

“Se esses eventos se repetirem, é possível que a Amazônia deixe de ser uma das principais fontes de captura de carbono”

O pesquisador ressalta que outros estudos e modelos preveem um aumento na frequência de secas na Amazônia como consequência da emissão de gases-estufa pelo homem. “Se esses eventos se repetirem, é possível que a Amazônia deixe de ser uma das principais fontes de captura de carbono, como é hoje”, afirma.

O estudo levou em consideração apenas a floresta intacta, pois não seria possível isolar, nas áreas que sofrem influência humana, quanto carbono tem origem na seca e quanto é proveniente de queimadas, desmatamento e uso da terra. Se esses fatores fossem contabilizados, as emissões de carbono seriam ainda maiores.

Sofia Moutinho
Ciência Hoje On-line

Anúncios

Sobre Liliane Castro

"O que eu faço, é uma gota no meio de um oceano. Mas sem ela, o oceano será menor." (Madre Teresa de Calcutá) Ficarei uns dias sem postar, devido a preparação e defesa de TCC na Universidade...
Esse post foi publicado em Amazônia e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s